4
Iluminação e a temperatura da luz

Tags:, , , Categoria: Computação Gráfica sexta-feira, 29-04-2011

Não deixe de ver também o artigo anterior:» /artigos/computacao_grafica/iluminacao-o-truque-das-cores

A temperatura das cores tem importância fundamental tanto na criação de ilustrações como na animação. Vamos aprender neste artigo o instigante conceito da temperatura da luz e suas aplicações na arte cênica em geral.

Como vimos no artigo anterior, as cores não passam de um fenômeno óptico provocado pela ação dos feixes de luz sobre as células da retina.

Neste processo, os feixes de luz, possuindo uma “frequência pura” são filtrados pelos mais diversos pigmentos e massas presentes nos objetos da cena que estamos vendo e em seguida devolvidos para nossa retina filtrados em frequências diferentes. A retina, por sua vez, envia para o cérebro as coordenadas corretas para que possa ser efetuada a coloração da cena.

Estas frequências de luz são chamadas de “temperatura da luz” ou “temperatura das cores”.

Para entender melhor a necessidade de uma boa iluminação precisamos conhecer um pouco sobre a “temperatura das cores”, que é um conceito largamente utilizado pelas empresas cinematográficas.

Medindo a temperatura da luz

O homem bacana da foto chama-se William Thomson. Ele foi um físico-matemático britânico que viveu no século XIX e é considerado o líder das ciências físicas do seu tempo.

O Barão Kelvin

Suas façanhas foram tão importantes que ele foi elevado a Barão em 1892, passando a ser conhecido mundialmente como Barão Kelvin.

Entre as contribuições de Thomson, a mais importante é a que nos interessa. Ele desenvolveu a escala Kelvin que serve para medir a temperatura absoluta da luz (onde o Zero Absoluto, ou Zero Kelvin é definido como 0 K, que equivale a -273,15 graus Celsius). O “Kelvin”, ou “K” é uma “unidade de medida” e sendo assim não utiliza os prefixos “grau” ou “graus”.

Tudo o que é aquecido produz energia e com base nisso, Thomson descobriu que ao aquecer um objeto qualquer até atingir a medida de 973,3 K ( equivalente a 700 graus Celsius ) a energia produzida começa a emitir uma luz vermelha escura.

A frequência desta luz vai variando de cor conforme a intensidade da energia, formando uma matiz de cores que definem a temperatura da luz.

A Escala Kelvin

Essas variações são chamadas de “espectro visível da luz”, ou simplesmente de “cores espectrais da luz”.

Se você usa o Adobe Photoshop ou algum programa parecido, com certeza já viu a escala Kelvin na ferramenta Hue/Saturation (Matiz/Saturação) que efetua um balanço na tonalidade da imagem com base na temperatura das cores.

Photoshop: Matiz Saturação

A brilhante descoberta de William Thomson é usada até hoje inclusive na indústria cinematográfica.

A temperatura das cores nos diversos ambientes

Nem é preciso lembrar que a escala Kelvin vai fazer sentido em todas as artes que criarmos a partir de agora. Para as cenas que desenvolvermos, poderemos criar os mais diversificados ambientes simplesmente mudando a temperatura da iluminação.

Tipos diferentes de luz podem mudar totalmente a coloração da cena, criando ambientes diferenciados. Na imagem abaixo, o mesmo brinquedo iluminado a partir de temperaturas diferentes.

Usando a escala Kelvin para medir a temperatura da luz em ambientes reais, encontraremos diferenças bruscas de temperatura na comparação entre ambientes interiores (dentro de casa) e exteriores. Isso acontece por diversos fatores como rebatimentos de luz, reflexos, efeitos atmosféricos, etc.

Como uma solução para este inconveniente, usamos a média de variação para chegar a um resultado mais preciso.

Por exemplo, os ambientes exteriores em um dia comum variam entre 4500 K e 6200 K, sendo assim, usamos a média desta variação que seria 5600 K.
Também os ambientes interiores com luz incandescente, variam entre 2800 K e 3400 K, sendo a média de 3200 K. Com luz fluorescente, os interiores podem variar entre 4000 K e 7000 K, sendo a média de 4300 K.

Na tabela de referência abaixo, temos as temperaturas com suas respectivas situações:

Tabela de Temperaturas Kelvin

Exemplos reais de temperatura

Para fixar um pouco mais sobre a temperatura de cor, vamos analisar situações reais onde o conceito acontece.

25000K-sol-ceu-aberto-polo-norte 12000K-sol-ceu-aberto 9000K-ceu-aberto 6500K-lampada-luz-do-dia 6000K-lampada-mercurio 4700K-lampada-branca-fria 3500K-lampada-branca-quente 3000K-lampada-incandescente-200W 2700K-lampada-incandescente-40W 1800K-vela-violino 1700K-vela Iluminação Externa Iluminação Interna 1400K-vela 1200K Luz do Fogo

Por enquanto é isso. Sinta-se à vontade para comentar sobre os artigos dando sua opinião e expondo suas críticas e sugestões. Até a próxima!

Referências Externas:» http//pt.wikipedia.org/wiki/Kelvin
» http//pt.wikipedia.org/wiki/Temperatura_de_cor
» http//www.3drender.com/glossary/colortemp.htm

2
Iluminação, o truque das cores

Iluminação, o truque das cores

segunda-feira, 25-04-2011

A iluminação é a chave principal no que diz respeito à qualidade de uma cena. Seja um fotógrafo, um cineasta, um pintor ou um artista 3D, todos buscam o domínio … Continue lendo

4 Comentários para este Artigo

  1. Antonio Brito (Replicar) 31 de maio de 2011

    Muito legal, eu já tive aulas na faculdade sobre direção de arte e a professora nos monstrou estas dicas de iluminação e temperatura das cores. Matiz.

    Abraços.

    Tony

  2. Fabio Oikawa (Replicar) 2 de junho de 2011

    Excelente completo sobre o assunto!!!!Parabens

  3. anderson (Replicar) 30 de dezembro de 2011

    cara nao sei como nao tinha visto este site antes , valeu vc é de mais

  4. arnaldo (Replicar) 10 de março de 2012

    gostei muito mas gostaria se possivel receber mais informaçao sobre a temperatura para filmagens de tv .
    obrigado

Deixe seu Comentário

Sua opinião é muito importante e ajudará este site a ficar cada vez melhor

Texto do seu comentário:

Pergunta para validação: 5+6 =